Publicado por: bulimundo | Maio 3, 2013

Excelente crónica no jornal i de hoje… está lá tudo…A caminho do abismo com mais um PEC debaixo do braço..

Por Eduardo Oliveira Silva

publicado em 3 Maio 2013 – 07:00

 

Ao princípio da noite de hoje Passos Coelho vai anunciar as medidas de corte na despesa a aplicar até 2016. O enunciado deve ser genérico e trabalhado para não gerar um excesso de stresse ao cidadão comum, deixando-o até com sábias dúvidas sobre o que se quis dizer neste ou naquele ponto, seja pela habitual incompetência técnica seja por matreirice politica.

Em concreto, esperam-se cortes nas pensões, despedimentos ou negociações de saída na função pública. Como é bom de ver, não se esperam medidas criminais contra quem urdiu as PPP, quem planeou um sistema de saúde que transfere para privados milhares de milhões ou quem sugeriu ou subscreveu swaps no valor de 3 mil milhões, ou seja, meio BPN.

A intervenção de Passos Coelho deve também passar ao lado das medidas que o Orçamento Rectificativo deste ano vai ter de integrar para tornear os vetos do Tribunal Constitucional.

Espera-se, portanto, que o chefe do governo pormenorize alguns aspectos do mais recente PEC que teve de engolir. Há neste PEC uma diferença relativamente aos anteriores: o nome. Passou a chamar-se Documento de Estratégia Orçamental. Quanto à sua substância é igual, pois agrava a austeridade, somando mais à que já existe e criando condições para a tempestade social perfeita, com consequências imprevisíveis, se porventura os portugueses deixarem de ser o povo moldado por Salazar e voltarem ao temperamento da República inicial.

Uma leitura mesmo não exaustiva deste documento permite com facilidade detectar um conjunto de dados que são totalmente impossíveis de concretizar.

E como se não bastasse a base de cálculo errada (deve ser o tal excel do professor Rogoff), é altamente improvável que esteja correcta noutros campos.

Atente-se em dois casos. As reformas aos 65 anos acrescidas do factor de sustentabilidade podem de facto ter o efeito contraproducente de agravar o desemprego. A degradação do Serviço Nacional de Saúde que está em curso pode ter efeitos negativos na esperança de vida. Bastaria isso e lá iriam as contas de Gaspar. Só que esse, entretanto, já estará sentado algures numa cadeira do BCE ao lado de Constâncio, um génio da supervisão bancária.

Há outra contradição insanável no plano, porque contraria os objectivos de crescimento que Santos Pereira tenta desgraçadamente proclamar.

Para recuperar, Portugal tem de facto de conseguir mais rendimento disponível para estimular o consumo interno, porque apostar nas exportações numa Europa em recessão é pura e simplesmente uma utopia. Quanto aos mercados mais longínquos, como os de Angola e da América Latina, são de facto viáveis, mas é preciso que as empresas obtenham garantias de pagamento atempado.

Como se vê, todos os indícios apontam para a manutenção da rota errada. Há dias Manuela Arcanjo pôs o dedo na ferida como ninguém. Foi na RTP, onde acusou Vítor Gaspar de não ter coragem, porque se a tivesse teria começado por atacar os grandes interesses e a despesa que eles impuseram. Tem toda a razão. A Vítor Gaspar faltou peito para os lóbis mas sobra-lhe para os indefesos. E agora conduz-nos para o precipício de mão dada com Passos Coelho e com Portas a reboque.


Responses

  1. Do caralho! Toda a razão!

  2. […] Fonte: https://bulimunda.wordpress.com/ […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: