Publicado por: bulimundo | Maio 23, 2016

Don’t You Wonder, Sometimes?

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

After dark, stars glisten like ice, and the distance they span
Hides something elemental. Not God, exactly. More like
Some thin-hipped glittering Bowie-being—a Starman
Or cosmic ace hovering, swaying, aching to make us see.
And what would we do, you and I, if we could know for sure
That someone was there squinting through the dust,
Saying nothing is lost, that everything lives on waiting only
To be wanted back badly enough? Would you go then,
Even for a few nights, into that other life where you
And that first she loved, blind to the future once, and happy?
Would I put on my coat and return to the kitchen where my
Mother and father sit waiting, dinner keeping warm on the stove?
Bowie will never die. Nothing will come for him in his sleep
Or charging through his veins. And he’ll never grow old,
Just like the woman you lost, who will always be dark-haired
And flush-faced, running toward an electronic screen
That clocks the minutes, the miles left to go. Just like the life
In which I’m forever a child looking out my window at the night sky
Thinking one day I’ll touch the world with bare hands
Even if it burns.
Time never stops, but does it end? And how many lives
Before take-off, before we find ourselves
Beyond ourselves, all glam-glow, all twinkle and gold?…….
 
The future isn’t what it used to be. Even Bowie thirsts
For something good and cold. Jets blink across the sky
Like migratory souls……..

 

 

Publicado por: bulimundo | Maio 9, 2016

Mandar é Respirar…

07

 

Mandar é respirar, não é desta opinião? E até os mais deserdados chegam a respirar. O último na escala social tem ainda o cônjuge ou o filho. Se é celibatário, um cão. O essencial, em resumo, é uma pessoa poder zangar-se sem que outrem tenha o direito de responder. «Ao pai não se responde», conhece a fórmula? Em certo sentido, ela é singular. A quem se responderia neste mundo senão a quem se ama? Por outro lado, ela é convincente. É preciso que alguém tenha a última palavra. Senão, a toda a razão pode opor-se outra: nunca mais se acabava. A força, pelo contrário, resolve tudo. Levou tempo, mas conseguimos compreendê-lo. Por exemplo, deve tê-lo notado, a nossa velha Europa filosofa, enfim, da melhor maneira. Já não dizemos, como nos tempos ingénuos: «Eu penso assim. Quais são as suas objecções?» Tornámo-nos lúcidos. Substituímos o diálogo pelo comunicado.

Albert Camus, in “A Queda”

Publicado por: bulimundo | Maio 9, 2016

First Breath After Coma – The Escape

Publicado por: bulimundo | Maio 2, 2016

When I have Fears That I May Cease to Be…

 

 fear3815
When I have fears that I may cease to be
   Before my pen has gleaned my teeming brain,
Before high-pilèd books, in charactery,
   Hold like rich garners the full ripened grain;
When I behold, upon the night’s starred face,
   Huge cloudy symbols of a high romance,
And think that I may never live to trace
   Their shadows with the magic hand of chance;
And when I feel, fair creature of an hour,
   That I shall never look upon thee more,
Never have relish in the faery power
   Of unreflecting love—then on the shore
Of the wide world I stand alone, and think
Till love and fame to nothingness do sink.

 

John Keats

Publicado por: bulimundo | Maio 2, 2016

Editors – Life Is A Fear (Last.fm Lightship95 Series)

 

 

 

Publicado por: bulimundo | Maio 2, 2016

vimeo…A Small Escape

Publicado por: bulimundo | Abril 17, 2016

A Psalm of Life……

 

 

fotografia-de-tomas-van-houtryve-belgica-vencedora-do-3-lugar-na-categoria-assuntos-contemporaneos-serie-de-fotos-no-premio-world-press-photo-do-ano-de-2014-imagem-feita-no-condado-de-eldorado-1432059

 

By Henry Wadsworth Longfellow

What The Heart Of The Young Man Said To The Psalmist.

Tell me not, in mournful numbers,
   Life is but an empty dream!
For the soul is dead that slumbers,
   And things are not what they seem.
Life is real! Life is earnest!
   And the grave is not its goal;
Dust thou art, to dust returnest,
   Was not spoken of the soul.
Not enjoyment, and not sorrow,
   Is our destined end or way;
But to act, that each to-morrow
   Find us farther than to-day.
Art is long, and Time is fleeting,
   And our hearts, though stout and brave,
Still, like muffled drums, are beating
   Funeral marches to the grave.
In the world’s broad field of battle,
   In the bivouac of Life,
Be not like dumb, driven cattle!
   Be a hero in the strife!
Trust no Future, howe’er pleasant!
   Let the dead Past bury its dead!
Act,— act in the living Present!
   Heart within, and God o’erhead!
Lives of great men all remind us
   We can make our lives sublime,
And, departing, leave behind us
   Footprints on the sands of time;
Footprints, that perhaps another,
   Sailing o’er life’s solemn main,
A forlorn and shipwrecked brother,
   Seeing, shall take heart again.
Let us, then, be up and doing,
   With a heart for any fate;
Still achieving, still pursuing,
   Learn to labor and to wait.

 

Publicado por: bulimundo | Abril 17, 2016

Beirut – No No No And Gibraltar….

 

Publicado por: bulimundo | Abril 17, 2016

Akira Kurosawa…composing and geometry…

 

 

 

Publicado por: bulimundo | Abril 8, 2016

Fireflies in the Garden….

 

1-1-dominic-nahr-22sudan-border-wars22

Here come real stars to fill the upper skies,
And here on earth come emulating flies,
That though they never equal stars in size,
(And they were never really stars at heart)
Achieve at times a very star-like start.
Only, of course, they can’t sustain the part.

 

By Robert Frost

Publicado por: bulimundo | Abril 8, 2016

Iggy Pop | GARDENIA……

7685_10205874917099603_3105853642390998659_n

By Stephen Crane

I saw a man pursuing the horizon;
Round and round they sped.
I was disturbed at this;   
I accosted the man.
“It is futile,” I said,
“You can never —”
“You lie,” he cried,   
And ran on.

 

Publicado por: bulimundo | Abril 4, 2016

Teresa Salgueiro | HORIZONTE…

 

Publicado por: bulimundo | Março 30, 2016

I Heard an Angel…CALLING…

tumblr_o0btxq5eax1rp66ruo1_500

By WILLIAM BLAKE

I heard an Angel singing
When the day was springing 
Mercy Pity Peace
Is the worlds release 
Thus he sung all day
Over the new mown hay 
Till the sun went down
And haycocks looked brown 
I heard a Devil curse
Over the heath & the furze 
Mercy could be no more 
If there was nobody poor 
And pity no more could be 
If all were as happy as we 
At his curse the sun went down 
And the heavens gave a frown 
Down pourd the heavy rain
Over the new reapd grain 
And Miseries increase
Is Mercy Pity Peace 

tumblr_nef1ovtejx1r34rfeo3_500

 

Publicado por: bulimundo | Março 30, 2016

Black Mountain – Angels …

Publicado por: bulimundo | Março 14, 2016

Digging By Seamus Heaney…

Sebastiao Salgado / An Archaeology of the Workers Industrial Age

 

Between my finger and my thumb   
The squat pen rests; snug as a gun.
Under my window, a clean rasping sound   
When the spade sinks into gravelly ground:   
My father, digging. I look down
Till his straining rump among the flowerbeds   
Bends low, comes up twenty years away   
Stooping in rhythm through potato drills   
Where he was digging.
The coarse boot nestled on the lug, the shaft   
Against the inside knee was levered firmly.
He rooted out tall tops, buried the bright edge deep
To scatter new potatoes that we picked,
Loving their cool hardness in our hands.
By God, the old man could handle a spade.   
Just like his old man.
My grandfather cut more turf in a day
Than any other man on Toner’s bog.
Once I carried him milk in a bottle
Corked sloppily with paper. He straightened up
To drink it, then fell to right away
Nicking and slicing neatly, heaving sods
Over his shoulder, going down and down
For the good turf. Digging.
The cold smell of potato mould, the squelch and slap
Of soggy peat, the curt cuts of an edge
Through living roots awaken in my head.
But I’ve no spade to follow men like them.
Between my finger and my thumb
The squat pen rests.
I’ll dig with it.

 

Publicado por: bulimundo | Março 14, 2016

Almost like Tarantino..David Byrne & St. Vincent – Who …

 

 

Publicado por: bulimundo | Março 14, 2016

TARANTINO…

 

Publicado por: bulimundo | Março 14, 2016

First and Final Frames Part I and II..BEAUTIFUL…

 

Publicado por: bulimundo | Fevereiro 21, 2016

O Mundo Está Prestes a Rebentar…

 

 

 

índice

Não olhes.
O mundo está prestes a rebentar.

Não olhes.
O mundo está prestes a despejar a sua luz
E a lançar-nos no abismo das suas trevas,
Aquele lugar negro, gordo e sem ar
Onde nós iremos matar ou morrer ou dançar ou chorar
Ou gritar ou gemer ou chiar que nem ratos
A ver se conseguimos de novo um posto de partida.

Harold Pinter, in “Várias Voz

Publicado por: bulimundo | Fevereiro 21, 2016

Rodrigo Leão..Inverno triste..

Publicado por: bulimundo | Fevereiro 15, 2016

Late Ripeness….

 

14953835143_3fc3afcfab_b


By Czeslaw Milosz

Not soon, as late as the approach of my ninetieth year,   
I felt a door opening in me and I entered   
the clarity of early morning.   
One after another my former lives were departing,   
like ships, together with their sorrow.   
And the countries, cities, gardens, the bays of seas   
assigned to my brush came closer,   
ready now to be described better than they were before.   
I was not separated from people,   
grief and pity joined us.   
We forget—I kept saying—that we are all children of the King.   
For where we come from there is no division   
into Yes and No, into is, was, and will be.   
We were miserable, we used no more than a hundredth part   
of the gift we received for our long journey.   
Moments from yesterday and from centuries ago—   
a sword blow, the painting of eyelashes before a mirror   
of polished metal, a lethal musket shot, a caravel   
staving its hull against a reef—they dwell in us,   
waiting for a fulfillment.   
I knew, always, that I would be a worker in the vineyard,   
as are all men and women living at the same time,   
whether they are aware of it or not.  

 

Publicado por: bulimundo | Fevereiro 15, 2016

Spring time for hitler..a new europe crash???

Publicado por: bulimundo | Fevereiro 13, 2016

Rain..rain..rain..keep falling…Cai a Chuva Abandonada..

 

Cai a chuva abandonada
à minha melancolia,
a melancolia do nada
que é tudo o que em nós se cria.

Memória estranha de outrora
não a sei e está presente.
Em mim por si se demora
e nada em mim a consente

do que me fala à razão.
Mas a razão é limite
do que tem ocasião

de negar o que me fite
de onde é a minha mansão
que é mansão no sem-limite.
Ao longe e ao alto é que estou
e só daí é que sou.

Vergílio Ferreira, in ‘Conta-Corrente 1’

Publicado por: bulimundo | Fevereiro 9, 2016

Tarkovsky..visual poetry..

Publicado por: bulimundo | Fevereiro 8, 2016

Buli olhares….

12687930_10205456071948736_7923037322860143315_n

Roads

By Edward Thomas

I love roads:
The goddesses that dwell
Far along invisible
Are my favorite gods.
Roads go on
While we forget, and are
Forgotten like a star
That shoots and is gone.
On this earth ’tis sure
We men have not made             
Anything that doth fade
So soon, so long endure:
The hill road wet with rain
In the sun would not gleam
Like a winding stream
If we trod it not again.
They are lonely
While we sleep, lonelier
For lack of the traveller
Who is now a dream only. 
                
From dawn’s twilight
And all the clouds like sheep
On the mountains of sleep
They wind into the night.
The next turn may reveal
Heaven: upon the crest
The close pine clump, at rest
Ancl black, may Hell conceal.
Often footsore, never
Yet of the road I weary,                  
Though long and steep and dreary,
As it winds on for ever.
Helen of the roads,
The mountain ways of Wales
And the Mabinogion tales,
Is one of the true gods,
Abiding in the trees,
The threes and fours so wise,
The larger companies,
That by the roadside be,
And beneath the rafter
Else uninhabited
Excepting by the dead;
And it is her laughter
At morn and night I hear
When the thrush cock sings
Bright irrelevant things,
And when the chanticleer
Calls back to their own night
Troops that make loneliness
With their light footsteps’ press,
As Helen’s own are light.
Now all roads lead to France
And heavy is the tread
Of the living; but the dead
Returning lightly dance:
Whatever the road bring
To me or take from me,
They keep me company
With their pattering,
Crowding the solitude
Of the loops over the downs,
Hushing the roar of towns
and their brief multitude.

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicado por: bulimundo | Fevereiro 8, 2016

Watch 34 of Quentin Tarantino’s Visual Reference…

Publicado por: bulimundo | Fevereiro 1, 2016

Tom Waits – “Hell Broke Luce” ….

Publicado por: bulimundo | Fevereiro 1, 2016

O Amolecimento pela Sociedade de Consumo…

 

 

 

Nos países subdesenvolvidos, a arte (literatura, pintura, escultura) entra quase sempre em conflito com as classes possidentes, com o poder instituído, com as normas de vida estabelecidas. Em revolta aberta, o artista, originário por via de regra da média e da pequena burguesia ou mais raramente das classes proletárias, contesta o statu quo, propõe soluções revolucionárias ou, quando estas não podem sequer divisar-se, limita-se a derrubar (ou a tentar fazê-lo pela crítica, violenta ou irónica) o baluarte dos preconceitos, das defesas que os beneficiários do sistema de produção ergueram contra as aspirações da maioria. Nas sociedades industriais mais adiantadas, o artista pode permanecer numa atitude idêntica de inconformismo; porém, os resultados da sua actividade de criação e reflexão tornam-se matéria vendável e, nalguns casos, matéria integrável.
O consumo do objecto artístico, seja ele o livro, o quadro ou o disco, quando feito sob uma tutela de opinião, que os meios de comunicação de massa, em escala larguíssima , exercem, torna-se, senão totalmente inócuo, pelo menos parcialmente esvaziado do seu conteúdo crítico. Despotencializa-se. Amolece.

Publicado por: bulimundo | Janeiro 30, 2016

Sou Eu..

385844_489917604397509_363193114_n

Sou eu, eu mesmo, tal qual resultei de tudo,
Espécie de acessório ou sobressalente próprio,
Arredores irregulares da minha emoção sincera,
Sou eu aqui em mim, sou eu.

Quanto fui, quanto não fui, tudo isso sou.
Quanto quis, quanto não quis, tudo isso me forma.
Quanto amei ou deixei de amar é a mesma saudade em mim….

Sim, ao mesmo tempo, a impressão, um pouco dolorosa,
Como de um acordar sem sonhos para um dia de muitos credores,
De haver falhado tudo como tropeçar no capacho,
De haver embrulhado tudo como a mala sem as escovas,
De haver substituído qualquer coisa a mim algures na vida.

Baste! É a impressão um tanto ou quanto metafísica,
Como o sol pela última vez sobre a janela da casa a abandonar,
De que mais vale ser criança que querer compreender o mundo…

Sou eu mesmo, o trocado,
O emissário sem carta nem credenciais,
O palhaço sem riso, o bobo com o grande fato de outro,
A quem tinem as campainhas da cabeça
Como chocalhos pequenos de uma servidão em cima.

Sou eu mesmo, a charada sincopada
Que ninguém da roda decifra nos serões de província.

Sou eu mesmo, que remédio! …

Álvaro de Campos, in “Poemas”

 

Publicado por: bulimundo | Janeiro 30, 2016

Mr. Robot – Where is my mind? ….

Publicado por: bulimundo | Janeiro 30, 2016

Muitos Meios e Saber de pouco Servem..TRUE…

die-cebit-tummelplatz-des-homo-computus_artikelquer

Vivemos num tempo que se sente fabulosamente capaz de realizar, porém não sabe o que realizar. Domina todas as coisas, mas não é dono de si mesmo. Sente-se perdido na sua própria abundância. Com mais meios, mais saber, mais técnica do que nunca, afinal de contas o mundo actual vai como o mais infeliz que tenha havido: puramente à deriva.

Ortega y Gasset, in “A Rebelião das Massas”

Publicado por: bulimundo | Janeiro 25, 2016

Eddie Vedder & Johnny Depp “Society”…

 

 

lisboa75

Os ideais da democracia e da liberdade chocam com o facto brutal da sugestibilidade humana. Um quinto de todos os eleitores pode ser hipnotizado quase num abrir e fechar de olhos, um sétimo pode ser aliviado das suas dores mediante injecções de água, um quarto responderá de modo pronto e entusiástico à hipnopédia. A todas estas minorias demasiado dispostas a cooperar, devemos adicionar as maiorias de reacções menos rápidas, cuja sugestibilidade mais moderada pode ser explorada por não importa que manipulador ciente do seu ofício, pronto a consagrar a isso o tempo e os esforços necessários……A vantagem de uma sociedade grande e complexa como a nossa é permitir à variedade de seres humanos expressar-se de muitas maneiras; não precisa de haver uma adaptação intensa, como a que encontramos em pequenas sociedades primitivas. Mesmo assim, em toda a sociedade há sempre um impulso para a conformidade, imposto de fora pela lei e pela tradição, e que os indivíduos impõem sobre si mesmos, tentando imitar o que a sociedade considera o tipo ideal. ……Que todos os homens são iguais é uma proposição à qual, em tempos normais, nenhum ser humano sensato deu, alguma vez, o seu assentimento. Um homem que tem de se submeter a uma operação perigosa não age sob a presunção de que tão bom é um médico como outro qualquer. Os editores não imprimem todas as obras que lhes chegam às mãos. E quando são precisos funcionários públicos, até os governos mais democráticos fazem uma selecção cuidadosa entre os seus súbditos teoricamente iguais.
Em tempos normais, portanto, estamos perfeitamente certos de que os Homens não são iguais. Mas quando, num país democrático, pensamos ou agimos politicamente, não estamos menos certos de que os Homens são iguais. Ou, pelo menos – o que na prática vem ser a mesma coisa – procedemos como se estivéssemos certos da igualdade dos Homens.

 

 

Publicado por: bulimundo | Janeiro 18, 2016

CRISE CHINESA EXPLICADA EM MENOS DE 90 SEGUNDOS…

http://www.ibtimes.co.uk/tv/embed/15439

Publicado por: bulimundo | Janeiro 18, 2016

Suede – No Tomorrow …

Publicado por: bulimundo | Janeiro 13, 2016

DAVID BOWIE..LIFE PHOTOS…

053111-bowie-mugshot-large

30_880_grandeanton-corbijn-david-bowie-grainedephotographe12434d75e552b7556daae1fdce14a16527

david-bowie-from-the-shadows-london-studio-1990-photo-clive-arrowsmith

Older Posts »

Categorias

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 63 outros seguidores